10 agosto 2012

A sordidez das pequenas coisas (Alessandro Garcia)


Olá pessoas!

O livro resenhado de hoje é “A sordidez das pequenas coisas”, enviado pela editora  parceira mais recente: Não Editora. (booktrailler no final do post!)

Composição e tema do livro: 20 contos que retratam as pequenas coisas do cotidiano. Como resistir?!

Desde que a Não editora publicou a lista de parceiros, eu já sabia o que solicitar. Li a orelha, me encantei pela diagramação do livro (e por essa capa LINDA que remete ao primeiro conto), passei o olho nas páginas e vi que o autor abria o livro com citação de Cortázar. Pensei: "esse cara tá quase com a minha fidelidade canina". Mas, é aqui que essa aventura literária se divide em duas partes: antes do plantão e depois do plantão; calma, acompanhem o raciocínio.


A.P:

Eu comecei a ler ...e a química não rolou. Os contos se sucediam e eu não via nada demais. Comecei a ficar meio triste, porque minhas expectativas, antes lá em cima, estavam despencando. Eu já estava na metade do livro, lendo um pedacinho a cada oportunidade, mas sem conseguir me concentrar, relendo cada frase umas 3 vezes. Alerta de emergência: quando isso acontece é sinal de que a escrita não me pegou.

D.P:

Acontece que eu tive um plantão de trabalho e, nesse dia, estava de sobreaviso. Para preencher as horas sem nenhum chamado, peguei o livro, pois, como vocês já sabem, eu não consigo abandonar leitura.

Um novo mundo se abriu. Parecia que eu estava lendo outra coisa. Devorei as páginas, conto após conto e nem senti a hora passar.

Os contos de Alessandro Garcia nada têm de fantástico, no sentido de sobrenatural. Ele fala das obviedades rotineiras e o quão fascinante é ver quanta coisa se esconde em suas frestas empoeiradas. O autor pega as cenas, ou fragmentos delas, e as descasca como cebolas, dissecando minutos como se fossem horas.

As histórias passearam entre o amor, a sensualidade, o terror psicológico (me assustando bastante como em Vãos e Pelo alívio dos enfermos!), a rotina sufocante, as obrigações, os sonhos abandonados, a realidade sempre tão seca, entre outras coisas. Em todos eles vi a ironia cortante, quase agressiva, por vezes arrancando um riso amargo, enquanto eu repetia: é isso mesmo. Certa dose de desconforto também sempre esteve presente, seja pelos temas abordados, pelas possíveis interpretações ou pelas verdades tão óbvias e tão esquecidas. 

A narrativa dos contos Um tio e Finados me encantaram e, embora os dois falassem de morte, o fizeram de modo completamente diferente, com destaque para a metalinguagem em Um tio (um conto sobre um autor que escreve um conto). Dos 20 contos, apenas 1 (As nuances mais opacas) não fez sentido para mim, de forma alguma e olhe que eu me esforcei; pensei em perguntar ao autor o que ele quis dizer, mas pensei melhor, e entendi que ler não é isso. Ler não é ter certeza ou conseguir esclarecimentos. Ler é encontrar seu próprio saber sobre o que se leu. Isso exige timing e congruência. Acontece quando (e se) tem que acontecer. 

Destaco o conto Me, o último do livro: o título e sua apresentação + epígrafe + texto = brilhante. Quantas vezes eu voltei a página a fim de achar o título? Inúmeras. Não me via. Será? (Se você ler, vai entender...rs).

Ao terminar a leitura, pensei em três autores: Neil Gaiman, pela narrativa crua, sem dó nem piedade, algumas vezes; Dostoiévski e seus cenários enquanto personagens; Cortázar e sua descrição poética das repetições cotidianas.


(imagem retirada do blog do autor. 
Atentem para o fato de que este livro foi finalista do Prêmio JABUTI 2011!)

A conclusão a que chego com esses dois momentos estranhamento x encantamento é simples: A sordidez das pequenas coisas é um amante exigente. Interessante que, a primeira vez em que disse isso, foi sobre um livro de Cortázar, autor com o qual Alessandro Garcia abre o livro e com o qual o encerra, nos agradecimentos. Acho que ele tem uma excelente influencia e fico muito satisfeita de poder dar a devida atenção à ambos.
  

A Não editora apostou no blog. 
Eu apostei na Não Editora
E aposto no Alessandro Garcia
Comecei a parceria com o pé direito.




Conheça um pouco mais do autor através do seu Blog: http://blog.alessandrogarcia.com/

Um beijo e até mais!

Nenhum comentário: